Google+ Followers

sexta-feira, 14 de março de 2014

O CARDUME


Cardume: o substantivo coletivo que designa um grupo de peixes, normalmente da mesma espécie e do mesmo grupo etário, que nadam como se fossem um único indivíduo.


          Exatamente... o coletivo, digamos humano é um cardume. Um cardume que se fundi em todos os sentidos e se repelem em todos os sentidos, paradoxal não? Sim, nós nadamos, ou melhor vivemos como se fossemos um mesmo indivíduo, porém, queremos sempre resultados individuais, totalmente egoístas e auto satisfatórios. Na verdade, existe sim, uma força chamada sistema que é controlada por poucos, esse sistema faz como se realmente fossemos um só indivíduo, porém trabalhando e vivendo em prol de um núcleo inteligente e furtivo. Esse núcleo domina, escraviza, limita e mata. Ele é tão voraz e ao mesmo tempo é acolhedor, doloroso e anestésico, mortal e vital! 
        Esse é o sistema que o rege, da sua infância a sua velhice. O cardume é um corpo só, levado pelas mesmas emoções, porém com desejos individuais, desejos de auto satisfação e isso é óbvio, sabem porque? Por que, o nome já diz, somos indivíduos, com capacidade de auto domínio constante, controle de cem por cento de todas as nossas ações, atitudes e pensamentos, claro se quiser! O sistema de escravidão coletiva é tão poderoso, que coisas maléficas e óbvias não enxergamos, apenas à acatamos...coisas que falo nesse texto são de simples entendimento, e de péssima compreensão. 
         A maioria das pessoas não se deram conta que são um enorme corpo trabalhando para poucos cérebros, ditos escravagistas. As migalhas que o sistema te oferece, são como iscas, onde os cardumes se perdem e se matam para comer míseros farelos. E essa energia gasta pelo cardume é o que gera à vida que irá os matar, pois quando o cardume se junta, muitos desses serão sacrificados para alimentar o grande tubarão branco, chamado sistema. O cardume fica tão cego e anestesiado com as migalhas em forma de isca, que esses, não contabilizam perdas, mortos e feridos... só querem os farelos que o sistema lança em direção a eles, os famintos de miserabilidade. 

Assim agindo pelo instinto sobrevivência, pela tecla matar ou morrer, não existe razão, pensamento, lógica e sensatez, só existe histerismo! Com histerismo não existe lucidez. Assim esquecem o oceano que os abraça e não se dão conta da extensão desse universo que vivem e que poderiam desfrutar,  usufruir e o melhor de tudo, SER e EXISTIR! 

Eis a espécie humana, como agem, como vivem, e como morrerão a grande maioria, em uma mente coletiva ilusória, sistemática e dolorosa e  prisional. A grande Matrix, o grande liquidificador humano que mói vidas, dilacera sonhos e acaba literalmente com tudo, para extrair o suco vermelho que servirá aos barões da vida ilusória que nos alimenta.

Jota caballero